“O assassinato de Roger Ackroyd”, de Agatha Christie

  • Um breve resumo (sinopse)

Na sossegada vila britânica de Kings About, o passatempo é a coscuvilhice. Muito frequentemente, discutem a vida de Roger Ackroyd, um homem considerado “fidalgo rural”. Esse grupo de coscuvilhice é liderado por uma senhora inglesa de meia idade, Caroline Sheepard, irmã do prestigiado doutor Sheepard.

Recentemente, o grupo da “má língua” andava a especular sobre o relacionamento da então viúva Miss Ferrars e de Mr. Ackroyd.

Roger Ackroyd sabia de mais. Sabia que a mulher que amava envenenera o primeiro marido, um homem extremamente violento, e suspeitava que ela era vítima de chantagem. Agora, que as trágicas notícias sobre a sua morte apontavam para um suicídio por overdose, eram muitas as perguntas que pareciam não ter resposta. Mas quando pensava estar perante as primeiras pistas sobre o caso, Ackroyd ver-se-ia envolvido num homicídio brutal: o seu!
Por pura coincidência, Poirot está a descansar na vila, a plantar abóboras. Com a ajuda do Doutor Sheepard, Poirot passa a investigar o crime, qualificado de bizarro, visto que Ackroyd fora morto com a sua própria adaga no seu escritório. A investigação é tortuosa e Poirot concebe que cada um tem uma mão no assunto. No entanto, no final Poirot encontra no menos provável suspeito o verdadeiro autor do crime.

  • Análise pessoal 

Agatha Christie delicia-nos com este incrível policial, protagonizado por Hercule Poirot, o famoso detective belga. Quando Roger Ackroyd é assassinado, pistas muito vagas conduziam ao assassino.
Surpreendentemente e genialmente, Poirot acaba por descobrir o assassino e o leitor vê-se confrontado com várias cenas de suspense e mistério.

Eu escolhi este livro porque adoro os livros de Agatha Christie e porque uma amiga minha leu e adorou, portanto decidi ler e deliciei-me com a história fantástica que a autora nos oferece.

Neste livro somos confrontados também com um clássico dos mistérios. Um velho muito rico que morre no escritório, e cujo testamento aponta para vários culpados. Até aqui, nada de especial, mas à medida que a história se desenrola este livro é tudo menos banal.

Classifico esta história com     . Tenho várias razões que me fazem adorar este fantástico livro!

Uma delas e também a que mais adorei foi o facto de o desfecho ser totalmente inesperado, pois é no final da história que se descobre o verdadeiro assassino que era completamente imprevisível.

O que também fez com que adorasse a obra foi o facto de a intriga ser fantástica, tem personagens perfeitamente comuns, aparentemente normais como nós encontramos no nosso dia-a-dia, mas estas parecem que têm algo a esconder, todas as personagens têm alguma relação…

Uma das coisas que mais gostei nesta história foi o facto de conseguir prender-me, isto é, a história está sempre num ponto alto, existe muito suspense, o que fez com que eu ficasse obcecada para saber quem era o verdadeiro assassino e por isso só me apetecia ir às últimas páginas para tentar descobrir quem matou Roger Ackroyd.

A linguagem adoptada pela autora é simples, o que faz com que a história seja de fácil interpretação e esta obra insere-se nos meus gostos literários.

Também uma ideia que me agrada bastante é que a história é contada na primeira pessoa, não pelo detective, mas por uma pessoa completamente normal, o médico. Esta perspectiva é muito interessante, pois permite ao leitor assumir claramente a pele de um espectador, que tendo acesso à informação na íntegra, não consegue desvendar o mistério (pelo menos eu não).   

Este livro que aparentemente não faz reflectir(pois é um policial) fez com que eu ficasse pensativa porque, às vezes, pensamos que conhecemos as pessoas e na realidade não sabemos do que são capazes. Na história o assassino é totalmente imprevisível, uma vez que tudo apontava para uma pessoa que aparentemente fosse capaz de matar alguém. Mas o assassino cometeu o crime e conseguiu escondê-lo até à última. Mesmo com as provas todas apontadas para ele, ele negou até ao fim!

Aconselho vivamente este tipo de livro a leitores que adoram policiais e também a leitores que gostam de ler boas histórias com muito mistério e suspense à mistura! Assim, podem entrar no mundo do crime com Agatha Christie, a rainha do crime!

    • Perspectivas do desfecho (quando ainda estava a ler o livro)

Quando estava a ler esta parte do livro, quase na altura de saber quem era realmente o assassino(a) de Roger Ackroyd, tinha vários pensamentos e várias pessoas suspeitas. Naquela altura, todos os suspeitos pareciam ter alguma coisa que os comprometia, que me fazia acreditar que era o assassino…

No entanto, eu desconfiava, sem ter bem a certeza, da sobrinha da vítima (apesar de todos me deixarem desconfiados).

Esta é a altura do livro em que se juntam as “peças”. Mas apesar da converas de Poirot, o detective, e o Dr. Sheppard não consegui descobrir o verdadeiro assassino. Até aí, pensava que a assassina podia ser a sobrinha de Roger Ackroyd, mas depois fiquei confusa com a conversa entre Poirot e o médico e deixei de ter uma ideia concreta de quem era o assassino.

O narrador (Dr.Sheppard) vai explicando como tudo aconteceu e Poirot (um detective) consegue encontrar o assassino e revela quem é…

Pensei para mim “é impossível, não posso acreditar…”

Agora se quiserem saber quem é o assassino, acho que o melhor é lerem a história. Vão adorar, é de mais, é totalmente inesperada…

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s